Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Segunda-feira, 11.02.08
                                
Desculpa, ó Mãe,
ó Mãe igual à minha!

Eu vejo o teu sorriso de ternura,
ao teu filho, já filho no teu seio;
e a tua carne,
a tua pele escura,
sentir a mesma dor e o mesmo enleio.

Eu vejo esse milagre,
tão milagre,
como vi ser em mim
por cada filho;
e nos teus olhos, Mãe,
eu vejo ser estrela
o mesmo brilho.

Desculpa se as palavras
não são rosas;
se o meu amor,
igual ao teu amor,
deixa as palavras serem só palavras
e não as faz dar flor.

Senão Mãe Africana,
ó minha irmã:
Tu havias de ver
as minhas mãos vazias
não serem mãos,
não serem mãos vazias,
mas serem todas luz
e darem flor.

Luanda, Dezembro, 1963

Clementina Relvas
publicado por clay às 15:42 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
29
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds