Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Segunda-feira, 11.02.08
                                
Desculpa, ó Mãe,
ó Mãe igual à minha!

Eu vejo o teu sorriso de ternura,
ao teu filho, já filho no teu seio;
e a tua carne,
a tua pele escura,
sentir a mesma dor e o mesmo enleio.

Eu vejo esse milagre,
tão milagre,
como vi ser em mim
por cada filho;
e nos teus olhos, Mãe,
eu vejo ser estrela
o mesmo brilho.

Desculpa se as palavras
não são rosas;
se o meu amor,
igual ao teu amor,
deixa as palavras serem só palavras
e não as faz dar flor.

Senão Mãe Africana,
ó minha irmã:
Tu havias de ver
as minhas mãos vazias
não serem mãos,
não serem mãos vazias,
mas serem todas luz
e darem flor.

Luanda, Dezembro, 1963

Clementina Relvas
publicado por clay às 15:42 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
29
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds