Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Domingo, 28.03.10

               Quando andava pelos meus trinta e cinco anos e porque sofria de incómodas dores nas omoplatas, pensava muitas vezes que se Deus me permitisse viver durante mais sete ou oito, para acompanhar a fase mais delicada do crescimento dos meus bebés, seria uma felizarda.

 

             Os anos foram passando, os meus filhos tornaram-se adultos e, quando já me aproximava dos sessenta, declarou-se-me, sem aviso prévio, um carcinoma do ovário. Fui submetida a uma histerectomia, a várias sessões de quimioterapia muito violentas e, feitos os exames adequados, foi-me dito que todo o mal tinha sido erradicado.

 

           Apesar disso, fui seguida, por mais de quinze anos, no IPO de Lisboa, sempre com diagnóstico favorável e boa qualidade de vida. Até que um dia, e porque o médico que então me acompanhava, se ia reformar, me submeteram a exames mais rigorosos e vieram a descobrir que o carcinoma tivera uma recidiva e, sem que eu sentisse qualquer sintoma, já me tinha secado um uréter e um rim. Duas operações em dois anos seguidos sem que o tumor pudesse ser erradicado, outras, várias, quimioterapias e agora, passados mais de cinco anos, continuo a fazer uma vida normal para a minha idade.

 

            Depois da primeira operação tive uma linda netinha que ajudei a criar, mais tarde um netinho que ainda não fez quatro anos, celebrei as minhas bodas de oiro de casada, continuei a viajar, mantive-me nos meus grupos de oração e de formação religiosa e aqui estou eu, ao computador, não tanto para dar o testemunho de que o cancro é, muitas vezes, uma doença crónica com a qual se pode viver e frequentemente curável, mas para reconhecer, com muita gratidão, que o tempo de Deus não é o nosso tempo. Ele virá, quando for da Sua Vontade, mas sem que eu faça a menor ideia do quando ou do como.

 

            Entretanto, todos os dias Lhe agradeço o dom da vida, procurando corresponder aos Seus planos, planos de Pai clemente e compassivo, sempre ao nosso lado para nos ajudar.

               Quando andava pelos meus trinta e cinco anos e porque sofria de incómodas dores nas omoplatas, pensava muitas vezes que se Deus me permitisse viver durante mais sete ou oito, para acompanhar a fase mais delicada do crescimento dos meus bebés, seria uma felizarda.

 

             Os anos foram passando, os meus filhos tornaram-se adultos e, quando já me aproximava dos sessenta, declarou-se-me, sem aviso prévio, um carcinoma do ovário. Fui submetida a uma histerectomia, a várias sessões de quimioterapia muito violentas e, feitos os exames adequados, foi-me dito que todo o mal tinha sido erradicado.

  

           Apesar disso, fui seguida, por mais de quinze anos, no IPO de Lisboa, sempre com diagnóstico favorável e boa qualidade de vida. Até que um dia, e porque o médico que então me acompanhava, se ia reformar, me submeteram a exames mais rigorosos e vieram a descobrir que o carcinoma tivera uma recidiva e, sem que eu sentisse qualquer sintoma, já me tinha secado um uréter e um rim. Duas operações em dois anos seguidos sem que o tumor pudesse ser erradicado, outras, várias, quimioterapias e agora, passados mais de cinco anos, continuo a fazer uma vida normal para a minha idade.

 

            Depois da primeira operação tive uma linda netinha que ajudei a criar, mais tarde um netinho que ainda não fez quatro anos, celebrei as minhas bodas de oiro de casada, continuei a viajar, mantive-me nos meus grupos de oração e de formação religiosa e aqui estou eu, ao computador, não tanto para dar o testemunho de que o cancro é, muitas vezes, uma doença crónica com a qual se pode viver e frequentemente curável, mas para reconhecer, com muita gratidão, que o tempo de Deus não é o nosso tempo. Ele virá, quando for da Sua Vontade, mas sem que eu faça a menor ideia do quando ou do como.

 

            Entretanto, todos os dias Lhe agradeço o dom da vida, procurando corresponder aos Seus planos, planos de Pai clemente e compassivo, sempre ao nosso lado para nos ajudar.

publicado por clay às 00:38 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
18
19
20
21
23
24
25
26
27
29
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds