Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sábado, 07.05.11

                                                                   

             Aquela família de coelhos vivia junto a um extenso milheiral, para onde se mudara, há pouco tempo, quando nasceram os dois irmãos gémeos: o Pacato e o Ladino. O milho já estava crescido, com as espigas gordas quase no ponto de serem colhidas.Mal tinham chegado e construído a sua lura, logo o Pai se tinha apressado a recomendar:

 

           - Meninos, estamos instalados num sítio agradável, fresquinho, mas muito perigoso: esse milheiral que se estende à vossa frente, a perder de vista, é uma perigosa armadilha. Espero que nenhum de vós se aventure a embrenhar-se nesse autêntico Labirinto.

 

           O Pacato tomou logo a decisão de obedecer e ficou calado. Mas o Ladino não se conteve que não perguntasse, com os olhitos vermelhos a luzir de curiosidade:

 

           - Ó Papá, o que é um labirinto?

 

           - Olha, é um lugar muito complicado, com muita dificuldade de se lhe encontrar a saída.

 

           - Então, lá dentro, não há ser vivo que se atreva a procurar conhecê-lo?

 

          - Claro que há. Ratos, lagartixas e também alguns passarinhos, sobretudo quando as maçarocas começam a estar maduras.

 

          O Ladino pensou logo para consigo que aquele devia ser um lugar maravilhoso para uma excitante aventura de verão. Calou-se muito bem calado e, ainda não tinham passado dois dias, enfiou-se por um estreito rego ali mesmo à porta de casa e partiu. Não levou nenhum alforge com comida pois já estava a antecipar as saborosas ervinhas que cresciam por toda a parte. O seu primeiro encontro foi com um rato, que fugiu dele a toda a pressa, confundindo-o com um gato que já, por mais duma vez, o tinha perseguido, furioso.

Depois encontrou uma lagartixa, que o olhou entre divertida e interessada e lhe disse:

 

         - Tu sabes bem no que te meteste? Olha que este campo de milho parece que não tem fim e não vai ser fácil encontrares uma saída.

 

         - Não há-de ser tão mau assim. Ainda há pouco avistei um pardal que, deliciado, debicava uma maçaroca douradinha e não parecia nada preocupado.

 

         - Ah pois! Um pardal! Mas tu não reparaste - e não sabes – que os pardais e todas as outras aves sobrevoam o milheiral e, lá de cima, conseguem ter o mapa de todas as saídas de que, aliás, nunca se servem, porque do que eles gostam é de voar?

 

        O Ladino, que já se encontrava bem no meio daquele labirinto, começou a ficar apreensivo: como é que iria escapar daquele emaranhado de canas e folhas? Perguntou à lagartixa:

 

        - E tu? Como é que vais sair daqui?

 

        - Eu? Eu sou um caso à parte. Em primeiro lugar, sou pequenina, tenho um corpo muito flexível e esgueiro-me por qualquer pequeno espaço. Além disso, vim para aqui com a minha família quando acabaram da fazer a sementeira e, irrequieta como sou, conheço todos os recantos e também todas as saídas.

 

       - Bom. Então acabou-se o pavor que já me estava a atormentar. Tu, que me pareces tão simpática, vais-me acompanhar até à saída que dá para a minha lura, não vais?

 

       A lagartixa reflectiu um pouco e disse:

 

      - Tens sorte porque hoje ainda não fiz quase nenhum exercício e vou tentar ajudar-te. Mas vai demorar muito tempo, que eu sou lenta e remexida e já agora, aconselho-te a não voltares a meter-te em sítios que não conheces, por muito sedutoras que as aventuras te pareçam.

 

      Foi então que o Ladino se lembrou das recomendações do Pai, mas não disse nada à lagartixa.

 

                                                           Lisboa, 6 de Maio de 2011

                                                                Clementina Relvas

                                                                                                                                                                      

                                                  Ladino

publicado por clay às 23:53 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds