Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sábado, 22.09.12

  

Meus queridos netos:

 

            Continuaram, mas agora a poucos quilómetros de distância, no INATEL de Vila Ruiva, uma pequena aldeia muito calma, rodeada por alguns pomares de macieiras, mas que tem apenas uma capela para a devoção popular e nenhuma loja. Eu achava graça às buzinadelas matinais da carrinha do pão, o único rasgo no pacífico silêncio que a torna um aprazível local para descanso.

 

          O INATEL de Vila Ruiva tem, como o de Linhares, no meio dum vasto terreno, menos ajardinado mas com algumas belas e imponentes árvores, e a predominância do rosmaninho a impregnar do seu perfume o ar puro da serra, um palacete mais modesto, sem brasão e que foi doado por um médico filantropo. Esse espaço, talvez para preservar a memória do benfeitor, continua a acolher hóspedes mas, num declive próximo, foi construído “de raiz” um outro edifício, este com a particularidade de começar no limite do espaço plano, onde algumas frondosas árvores abrigam do sol escaldante os carros estacionados. Por meio de escadas ou duma confortável rampa, acede-se ao piso menos um, onde se situam a receção, um moderno bar, a sala de estar com uma televisão de grande qualidade, mesas para jogos e a vasta sala de jantar toda aberta para o exterior e com uma vista magnífica para a Serra da Estrela.

 

            Por meio dum ascensor panorâmico, desdenhado pelos mais jovens que lhe preferiam a escada em aço e artística conceção em ziguezague, mas delícia dos mais idosos, descia-se aos pisos menos dois e menos três, aberto para um vasto espaço limitado por um ribeiro escondido entre árvores verdejantes. Ainda neste piso, além de quartos muito confortáveis e um ginásio, foi criado um original jardim, onde, no meio dum chão feito de seixos rolados pretos e claros lembrando as nossas originais calçadas portuguesas, se erguiam algumas plantas exóticas. Aí se perdia o nosso olhar sempre que utilizávamos o elevador. É uma notável marca de beleza, mas não a única: por todas as paredes se podiam admirar quadros com fotografias de artista que soube escolher, com realismo e bom gosto, aspetos da região: desde o imponente e bem conservado Castelo de Linhares, árvores magnificentes isoladas ou em conjuntos inesperados, até uma linda rosa encarnada a espreitar pela fenda duma parede de xisto. Uma agradável surpresa e, sem exagero, um encanto, que nos surpreendeu agradavelmente e substituía a exposição de pintura que ali se encontrava no ano anterior.

 

            Aqui, as piscinas ficavam a poucos metros do meu quarto, no piso menos dois, o que me proporcionou aprazíveis momentos de repouso ou a leitura de livros que tinha levado e esperavam, ansiosos, a hora de serem lidos.

 

           Além de ter valorizado a minha intenção de descanso, a pensão completa, (um buffet com abundante e variada comida, desde as entradas às muitas e variadas sobremesas e muita fruta) não podia ficar esquecida pois, se “nem só de pão vive o homem”, também a fome não é uma boa condição para apreciar paraísos como este.

 

            Lisboa, 21 de Setembro de 2012

 

            Clementina Relvas

 

Solar de Vila Ruiva, cedido ao Inatel e inserido numa quinta de 3 hectares
 
Busto do doador do Solar à  C. M. de Fornos de Algodres

 

Piso -1 com acesso aos Pisos -2 e-3
Piso -3. Ao fundo o elevador panorâmico
 
 
publicado por clay às 12:17 | link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 17.09.12

Meus queridos netos:

 

            Só agora que, devido a várias complicações de saúde multiplicadas com a idade, me vejo inibida de fazer tantas coisas que dantes me enchiam os dias e a vida, é que reconheço a verdade contida num célebre verso de Camões: "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades".

 

            Não leio com tanta avidez e prazer, não me atraem como atraíam os bons programas de Televisão, nem sequer o convívio com as amigas, quase todas com a minha avançada idade e os respetivos achaques.

 

            Com a mobilidade diminuída por dores e desequilíbrio, raramente saio à rua e sempre de carro e amparada ao Vôvô, que tem sido o meu Anjo da Guarda aqui na Terra.

 

            Eu, que tanto viajei pelo mundo, fascinada pelas muitas maravilhas que Deus espalhou por toda a parte com a Sua generosidade, passei este ano as duas primeiras semanas de Agosto, o mês de férias da minha empregada, muito bem instalada em duas unidades hoteleiras do INATEL, recentes e acolhedoras.

 

            Nesta época que estamos a atravessar, com o país em crise profunda e tantos desempregados, alguns tendo atingido já o limite da sobrevivência ameaçada, eu dava e dou graças a Deus pela minha situação privilegiada, procurando partilhar os meus recursos, reduzidos pelas leis, principalmente com familiares doentes ou desempregados.

 

Com o coração aflito mas procurando manter limpos os olhos para tanta beleza, mesmo sem sair de casa ou em pequenos passeios de carro, bastava uma verde e frondosa árvore ou uma viçosa flor, para o meu coração se refugiar nas lembranças passadas em que nunca me poupava a esforços para usufruir de todas as maravilhas ao meu alcance, que fui acumulando em fotografias e, a maior parte delas, no recôndito do meu coração.

 

            Disse: mesmo sem sair de casa. O hotel onde o Vôvô e eu passámos a primeira semana, era um antigo solar brasonado, na encantadora aldeia de Linhares da Beira, restaurado com todo o esmero, o que lhe acrescentou a comodidade e a beleza. O nosso quarto, como outros mais, tinha acesso direto a um autêntico parque por uma porta que obrigava a vencer uma alta base de granito, que eu só conseguia fazer com a ajuda do Vôvô . Mas, ultrapassado esse obstáculo, era o paraíso: um espaço privativo, com uma mesa e duas cadeiras, para ler ou descansar gozando a inesquecível vista da Serra da Estrela, relvados com sombras para mudar a perspetiva, roseiras em flor, aloendros brancos e vermelhos era o que podíamos ver e desfrutar numa metade do parque; a outra metade era ocupada por uma imensa pérgula ovalada, erguida sobre fortes barras de aço saídas dum contínuo renque de opulentas hortenses ostentando flores enormes, de cores tão variadas e opulentas como eu, que conheço os Açores de ponta a ponta, penso jamais ter visto. A pérgula estava a ser recoberta por hera (a sua construção era recente) e o chão, com a parte central relvada e dois caminhos laterais de xisto, convidativos a pequenos passeios, eram protegidos por muros que permitiam, neles encostados, ver uma parte da vila, o seu bem preservado castelo, os campos agrícolas e, bem lá ao fundo, a já referida panorâmica da Serra da Estrela.

 

            Era um refúgio privilegiado, onde todas as dores e preocupações se atenuavam. E havia quatro espaços igualmente cuidados, no mais baixo dos quais se situavam as piscinas, mas a que o acesso, feito por antigas escadarias exteriores, me privavam de frequentar e de me deliciar com as brincadeiras e "chalrices" de crianças e bébés. Então, ocupava-me o espírito com os tempos em que o mar e a praia, para mim, que nasci em Trás-os-Montes, eram uma verdadeira dádiva de Deus.

 

            Apesar de "limitada", muito tenho ainda para vos contar, o que farei em breve. Como gostaria de vos ter então (e agora) junto de mim!

 

            Beijinhos, muitos, da Vóvó e do Vôvô

 

                                                           Clementina

                                               Lisboa, 13 de Setembro de 2012

 

 

 

 

 

 

 

publicado por clay às 11:55 | link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 11.09.12

 

“Amanhã não é outro dia quando a existência

                 nada tem de humano”

       Oriana Fallaci no seu livro: Um homem

 

 

Porque, amanhã, os campos serão verdes,

porque, amanhã, os corpos serão belos,

porque, amanhã, só florirão certezas,

porque, amanhã, angústias e tristezas

não verão o seu dia,

porque, amanhã, tudo rescenderá a alecrim

e a flor de laranjeira,

porque, amanhã, o lobo irá pascer

ao lado do cordeiro,

porque, amanhã, crianças vão nascer

e vão crescer para serem felizes…

 

Porque, amanhã, tudo será humano

e verdadeiro

e cheio de alegria,

Aleluia! Aleluia!

Porque, amanhã, será,

com certeza, outro dia.

  

            Clementina Relvas

 

 

 

 

publicado por clay às 01:01 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds