Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quarta-feira, 28.01.15

 

                                       «Eu sou a porta das ovelhas» (João 10,7)

 

É através da porta que é Jesus

e, como Ele afirmou,

a porta estreita,

que o sacerdote leva as suas ovelhas,

até ao verdadeiro Bom Pastor,

que as acolhe,

que jamais as rejeita.

 

Vai à frente dos outros, como Pedro,

mas atrás de Jesus,

disposto a dar a vida

que, por um chamamento especial,

ficou, radicalmente, livre e comprometida.

 

Se a fizer em comunhão com Deus,

seu apoio será a oração constante:

continuará na terra a obra de Jesus,

e ressuscitará por seu amor orante.

 

È administrador dos dons de Deus,

ajuda dos que vê mais precisados.

Pode, por mais humilde que se sinta,

perdoar-nos de todos os pecados,

participar na nossa Penitência,

ajudar-nos a ser purificados.

 

E,  depois, oferecer o «pão do Céu»

a quantos têm fome e sede de Jesus.

Dar firme testemunho do Evangelho:

obediência, pobreza e castidade,

tudo no amor a Deus, olhos postos na Cruz.

 

«O padre não é padre por si mesmo.

É padre para vós», dizia o Cura D’Ars.

É um tesouro para cada Igreja,

que, com ele, se há-de santificar.

 

O Sacramento da Ordem, que escolheu

é tão profundo e de tal vastidão,

que é de nós todos, leigos, o dever,

de o ajudar, com obras e oração.

                                                                            

                   Clementina Relvas

tags:
publicado por clay às 10:33 | link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26.01.15

Porque era justo e Deus a sua esperança,

partiu, como lhe fora prometido,

unido a Ele pela dor salvífica,

que só na Cruz ganha todo o sentido.

 

                                     Foste o seu cireneu, com ele sofreste

                                   os desgostos, as dores, as amarguras

                                   e só iluminadas pela fé

                                   vossas vidas foram menos escuras.

 

Se os planos de Deus não são os nossos,

não tem igual Sua sabedoria.

Ele revelará os Seus caminhos

Àquele que O ama e n’Ele confia.

 

                                   Mandou-nos abraçar a nossa cruz,

                                   o fardo leve, fácil de levar

                                   porque Ele está connosco e Sua Mãe

                                   nos leva pela mão sem se cansar

                                   e nos confia, sempre acreditando

                                   na Sua ilimitada compaixão,

                                   que Ele desculpará nossos pecados

                                   pois os remiu pela Sua Paixão.

 

                                    Clementina Relvas

tags:
publicado por clay às 00:54 | link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21.01.15

Mas não, pensando bem,

detecto o exagero

e deixo de chorar.

Tanto regato a correr,

cristalino,

talvez possam, unidos,

despoluir o mar.

 

Tantas estrelas

que inda vejo à noite

na solidão da serra.

Tanta gente no mundo,

tante gente

em luta contra a guerra.

 

Tantos homens

que empregam o seu tempo

a salvar o que resta, a reciclá-lo

para futuras gerações.

E tantos voluntários

que se entregam,

de corpo e alma

a ajudar os que sofrem,

sem ter em conta

credos ou nações.

 

Que eu cultive,

como flor de jardim

resguardada dos ventos

por um muro de amor,

esta ténue esperança

que me resta

de ver um mundo novo

mais fraterno, melhor.

 

Clementina Relvas

 

publicado por clay às 15:19 | link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19.01.15

Até que o fio extremo

que nos prende à vida

já não vibra,

fica bambo, indiferente

e o caminho se abre ao assédio final.

 

E é então que Ela chega.

O ar enche-se de presságios,

todos os signos indecifráveis

se tornam claros e nítidos,

a ameaça difusa toma forma

e a Inominada exige

sua identidade unívoca e fatal.

 

Aproximam-se as Parcas

e uma delas

- uma só e a mais implacável –

corta o fio.

 

Mas já os nossos lábios,

cerrados para sempre e arrefecidos,

se apossaram da chave da metáfora

e só resta o silêncio como herança.

                                                                                                                                                        Clementina Relvas

tags:
publicado por clay às 15:57 | link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16.01.15

Quando me calo, para ouvir em mim

a voz de Deus,

que os Anjos me reportam,

escuto sons divinos e sem fim,

seja em horas solares

ou horas mortas.

 

 Haydn, Haendel,  Mozart  e, de Schubert,

a  obra-prima da Avé Maria-,

da Missa, à Oratória, ao Requiem,

à sublime Paixão Segundo S.Mateus,

com todas a minha alma se alumia,

por se sentir na presença de Deus.

 

Se falo Lhe falo das minhas alegrias,

são os sinos

que eu ouço repicar.

Ouço-os também se, nas minhas angústias,

dobram,

e sinto Deus que me vem ajudar.

 

Citaras, harpas, orquestras sinfónicas,

que elevam até Deus quem os escuta,

a voz emocionada do salmista,

o antigo cantochão,

é tudo a mesma luta:

 a sós connosco ou nas liturgias,

são pontes para o Céu

e fazem-nos sentir, com mais ardor,

sermos filhos de Deus,

amados do Senhor.

                                                                                            

      Clementina Relvas

publicado por clay às 00:58 | link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 08.01.15

 

                                             O nosso caminho,

                                             mais de cinquenta anos

                                             de caminho,

                                             não foi sempre a estrada florida

                                             que sonhámos,

                                             mas soubemos flori-la de carinho

 

                                             Houve pedras a ferir-nos os pés:

                                             os filhos que perdemos.

                                             Houve espinhos a rasgar-nos

                                             a pele, sem piedade,

                                             quando viemos,

                                             despojados de quase tudo

                                             e a pesar-nos a idade.

 

                                             Mas houve muito e leal amor,

                                             como jurado.

                                             Houve dias de sol

                                             e de ternura.

                                             E houve, sobretudo, meu amor,

                                             ter andado o caminho

                                             sempre os dois,

                                             lado a lado,

                                             ultrapassando assim a noite,

                                             até mesmo a noite mais escura

 

                                                        Clementina Relvas

publicado por clay às 12:12 | link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 05.01.15

 

                           Trinta anos, semita, tisnado pelo sol

                           e pelo vento do deserto,

                           mas sempre o mesmo compassivo olhar,

                           procurando, no íntimo do homem,

                           mesmo no pecador,

                           o ensejo de tudo perdoar.

 

                          Era assim que eu Te via,

                          ó meu Jesus, e não como este Cristo

                          que hoje vi,

                          pendente duma Cruz

                          por nosso amor

                          e que me fez sentir mais próximo de Ti,

                          talvez por ir levar-Te a minha dor.

 

                          Eu nunca imaginei como seria

                          a verdadeira face do meu Deus,

                          do meu Deus feito homem,

                          devastada por todos os tormentos,

                          que na hora da morte nos consomem.

                          

                          Vi-a, hoje, no bronze do artista

                          que olhou muito mais fundo                       

                          e que sentiu

                          a agonia mortal

                          pelos pecados

                          que vira neste mundo.

 

                          E foi então que ouvi alguém dizer:

                          «Como é feio este Cristo!»!

                          Feio Tu, que na hora da agonia,

                          só sofrias por nós,

                          homens de cerviz dura,

                          que nem a Tua morte redimia!

 

                         Tu ias para o Pai, chegara a Hora,

                          mas sofreste por nós toda a espécie de dor.

                          «Pai, porque me abandonaste?»

                          Eis o momento

                          que o artista captou,

                          pondo no bronze,

                          seu coração dorido

                          e todo o seu amor.

 

                                  Clementina Relvas

publicado por clay às 10:12 | link do post | comentar | favorito
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
20
22
23
24
25
27
29
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds