Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quinta-feira, 06.08.09

 Meus queridos netos:


Como era de esperar numa menina gentil como a nossa netinha, também o Vôvô (e o Papi, como verão), foram contemplados com longas mensagens, muito carinhosas e bem escritas, em que ela exprime todo o amor que nos dedica. E como não era justo, e até podia ser levado à conta de vaidade, que eu só pusesse no blogue a que me foi dirigida, aqui fica também a que muito comoveu o Vôvô, tanto mais que foi escrita no dia 26 de Julho, «Dia dos Avós»:


O meu vôvô:

O meu vovô chama-se Emílio Miranda Relvas. Ele poderia ser um famoso escritor de histórias, escrevendo, na maior parte das vezes, sobre a sua vida e aventuras passadas. Mas prefere escrever para a sua netinha que gosta tanto de ouvir as suas histórias aventureiras.


Muitas vezes o avô relembra-se da sua antiga vida, de quando era ainda mais novo e percorria o mundo em busca de novas aventuras. Ter tido uma vida tão diferente desta, em Angola, fez com que o vôvô tivesse possibilidade de colher muitas e variadas experiências. O meu avô andou muito pelas terras angolanas onde até fez de juiz. Uma vez encontrou-se perante uma situação muito complicada. Resumindo, dois homens e um cão. Pois, podem pensar que mal têm dois homens e um cão? Na verdade não tem mal nenhum, se não se desse o caso de ambos os senhores angolanos reclamarem o cão, dizendo ambos serem os seus donos. O meu vôvô não sabia bem como resolver tal situação, pois não havia maneira possível de provar de quem era realmente o pobre animal. Pensou arduamente em como resolver este caso, mas simplesmente não lhe ocorria qualquer solução. Mas de repente teve uma ideia: pensou numa antiga história, a sentença de Salomão. Claro que não iam dividir o pobre do animal ao meio. Chamaram os senhores que afirmavam serem os dois os donos do cão, e pediram para irem cada um para seu lado de uma grande sala em que se encontravam. O cão foi posto exactamente no meio da sala, entre os dois “donos”. Depois o meu avô ordenou que ambos chamassem pelo nome do rafeiro. O verdadeiro dono seria o que o cão escolhesse para ir ao seu encontro. A princípio, o animal parecia um tanto indeciso mas, felizmente, decidiu-se e, assim, se resolveu o problema.


E, passado tanto tempo, o meu avô veio para Lisboa e, alguns anos depois, recebeu, como prenda, uma netinha chamada Cristina. Foi o meu avô que me foi buscar tantos anos seguidos à escola, quando ainda morava em Lisboa. Esperava por mim ao portão e lá vinha eu toda animada de poder estar de novo com os meus avós. Todas as vezes o meu vôvô agarrava-me com a sua tão grande mão (nessa altura a mão dele parecia-me muito maior que agora, mas isso devia-se a que eu era muito mais pequenina que ele, agora já estou muito maior) no meu tornozelo e via se ainda estava acordada, pois tinha o hábito de adormecer de imediato logo que entrava no carro. Eu acordava logo e fingia não estar nada ensonada. A reacção do meu avô era rir.


Como já contei no outro texto sobre a minha vóvó nós íamos a muitos parques. Quem nos levava aos parques? O meu vôvô. Uma vez, no parque de Monsanto, sucedeu um pequeno “acidente”. Eu estava toda animada a brincar ao pé do lago, até que a certa altura caí lá dentro e fiquei encharcada. O vôvô teve de ir a casa buscar-me roupa seca e uma toalha. Mesmo assim estava o tempo todo sorrindo.


O vôvô adorava jogar Xadrez. Um dia ele convenceu-me a jogar um joguinho com ele. Primeiro teve a paciência de me explicar como se jogava este novo jogo, que, ao princípio, me pareceu muito complicado; mas com o passar do tempo, tornou-se mais fácil. Com tanta prática adquirida a jogar com o vôvô, comecei a ganhar muitas partidas. Então tive de me concentrar noutro adversário que estivesse á minha altura: o papi. Mas agora que estou mais velha nem o papi me consegue ganhar (só quando estou muito cansada e ele teima jogar mais um jogo). Mesmo assim gosto de ter um bom jogo com o meu antigo “professor” de Xadrez, o vôvô. Espero disputar ainda muitos jogos com o meu vôvô e aprender muito mais técnicas de como ultrapassar um obstáculo, não só no jogo mas também na vida.


Com muito carinho,
Para o melhor vôvô do mundo!
Cristina Kohlhoff Feijó Relvas
25 de Julho de 2009

 

publicado por clay às 00:12 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO