Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sábado, 15.08.09

 

Meus queridos netos:


Nestas cartas que tenho escrito para vós, o protagonismo da Cristininha pode causar alguma justificada estranheza: o meu outro neto, o Zezinho, tem permanecido ausente, mas já vos explico porquê.


Foi já no entardecer da nossa vida que o Zezinho, agora com três anos e meio, apareceu como um raio de sol, trazendo-nos a alegria dum novo recomeço e a esperança de nos vermos lembrados através dele, numa existência que lhe desejamos longa, feliz e com o coração aberto ao Bem, iluminada pela presença de Deus e aberta às necessidades do próximo.
Nos dois primeiros anos de vida, era uma criança muito activa, que não dava descanso aos seus Pais e manifestava a sua personalidade pela insistência que punha na realização dos seus desejos. Se não conseguia vê-los realizados, lá vinha uma forte birra, geralmente acompanhada por ensurdecedora gritaria que não durava muito tempo. Imediatamente aparecia, no seu rosto angelical, um desarmante e consolador sorriso que a todos encantava e enternecia.

 

Como começou a falar muito tarde, parecia-nos que um dos motivos dessas suas birras era o desejo de se exprimir, sobretudo quando já compreendia muito do que lhe diziam e se passava à sua volta. Com o passar do tempo, tornou-se um pouco mais paciente, interessado pelas coisas e, desde que começou a falar, não pára um momento calado, sempre a palrar como que para recuperar o tempo perdido. Diz coisas muito engraçadas e reveladoras da sua lógica infantil: habituado a ser ele o contemplado com a quase totalidade das prendas, quando os seus Pais fizeram anos, há um mês atrás, oferecemos-lhes uma garrafa de licor e os respectivos copinhos de cristal. Quando eu disse: «Esta prenda é para o Papá e para a Mamã», ele acrescentou imediatamente: «Para o Papá, para a Mamã e para o Zezinho. É para todos» E o pior é que, no dia seguinte, queria brincar com os copos pequeninos, ou ainda melhor, levá-los consigo para o Jardim Infantil.


Mas não é minha intenção, nesta carta limitada pelo espaço, falar das «gracinhas» do meu neto, cada vez mais frequentes e imprevisíveis. Quero, acima de tudo, mostrar como, tanto o Vôvô Emílio como eu o amamos, embora o seu convívio connosco seja bastante escasso, pois as forças já não são as que eram há catorze anos, quando nasceu a nossa neta Cristina. Além disso, ele tem vivos e sempre prontos a acolhê-lo os seus dois Avós maternos, enquanto a prima só nos tinha a nós.


De qualquer modo, quando ele nos entra porta dentro, a precipitar-se para os nossos braços abertos e nos dá os seus repenicados beijinhos, com o luminoso sorriso que continua a irradiar da sua face, é sempre o mesmo raio de sol a aquecer-nos este final de vida, que, sem ele, não teria a mesma força e alegria.

 

Beijinhos dos Vóvós
 

publicado por clay às 17:04 | link do post | comentar | favorito
paisagemviva2 a 18 de Agosto de 2009 às 10:55
Os rebentos reguilas e irrequietos dão luz e cor à nossa vida e que os avós tenham muita saúde para os poderem acolher com a paciência e alegria que lhes é característica, pois os pais agradecem os momentos de alegria ao verem as duas gerações juntas.
Bjs
Paisagemviva
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO