Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sexta-feira, 05.03.10

 

Casa-Museu Frederico de Freitas - Madeira

Virgem com o menino adormecido

Pintura do Século XVII de Giovanni Baptista Salvi

 

                Meus queridos netos: 
 
                            Comecei o mês de Março com a realização dum desejo, que já receava não se concretizasse: visitar, no Palácio da Ajuda, na Galeria do Rei D. Luís I, a exposição comemorativa dos Quinhentos Anos da História da Madeira, temporariamente aberta ao público.    
                               É uma exposição muito bem organizada, mostrando, com clareza e sabedoria, alguns dos mais importantes espécimes de arte sacra dos Museus da Madeira: o Museu de Arte Sacra do Funchal, instalado no antigo Paço Episcopal, o Museu da Quinta das Cruzes e a Casa-Museu Frederico de Freitas, antigas residências senhoriais adaptadas à mostra de obras de arte.
 
                               Ao entrar na Galeria, chamou-me logo a atenção uma pequena pintura representando três rostos iguais, vistos de frente, e cujo misterioso significado, apesar da pesquisa na Internet, não consegui descobrir. Tem por título O Mensageiro e talvez seja uma representação, muito original, da Santíssima Trindade. Será? E também um S. Sebastião em pedra de ançã, muito mutilado, dos inícios do séc. XVI.
 
                               Nesta primeira sala, integrada no “ciclo do açúcar”, há também exemplares de cones onde se moldavam os pães de açúcar que, no século XVI, eram exportados para outros países, até que, com o reinado dos Filipes e a invasão, por potências estrangeiras, dos nossos mares essa rentável indústria entrou em decadência. Foi, no entanto, da Ilha da Madeira que saiu a tecnologia açucareira para S. Tomé, as Antilhas e o próprio Brasil que, mais tarde, ia ser o abastecedor da indústria de doçaria e de frutos cristalizados. O açúcar do Brasil vinha dentro de caixas, feitas de preciosas madeiras da Mata Atlântica e as enormes tábuas com que se faziam essas caixas, foram um material de excepção na mão dos carpinteiros locais, que, com elas, construíram aparadores que ficaram conhecidos pelo nome de caixa de açúcar. Provenientes do Museu da Quinta das Cruzes, podemos apreciar alguns desses móveis, embora muitos tenham ido para a Flandres, região com que a Madeira teve muitos e lucrativos negócios.
 
É essa a principal explicação para a presença, nesta mostra, de vários e magníficos exemplares de arte flamenga ou nela inspirados, como o encontro de Santa Ana e S. Joaquim defronte da Porta Dourada ou o imponente S. Nicolau, bispo de Mira e que ilustra a capa tanto do folheto como do valioso catálogo da Exposição. Nela encontramos quadros inesquecíveis, como uma Natividade de inspiração rafaelita, com uma Nossa Senhora de admirável beleza, S. José e claro, o Menino Jesus, todos rodeados por anjos encantadores. Também me cativou vivamente um quadro onde o Menino Jesus está, adormecido, ao colo de Nossa Senhora, o Martírio de Santa Úrsula e das Onze Mil Virgens, as muito impressivas representações de S. Pedro, S. Paulo, S. Tiago, S. Bento. E há, também, alguns notáveis exemplares de pintura social: um retrato, pintado talvez na Flandres, no séc. XVII, do 3º Marquês de Castelo Rodrigo, bem como uma cena de taberna, de inspiração holandesa. Da Quinta das Cruzes veio ainda uma notável colecção de pequenos quadros (pinturas e aguarelas), representando paisagens, costumes e trajes da Madeira do séc. XIX, de quando já imperava o ciclo do turismo.
 
                               Impressionante, também, é a beleza das alfaias em prata, de que sobressai, pelo seu tamanho e esmero artístico, uma urna da ourivesaria de Lisboa, do séc. XVIII, encimada por um magnífico Agnus Dei e o Seu estandarte. Mas há ainda candelabros notáveis, ou melhor, os enormes anjos que os empunhavam e duas cruzes processionais, uma delas oferecida pelo rei D. Manuel I à Sé do Funchal.
                               Claro que todas estas obras de arte e muitas outras que não me é possível enumerar, não se encontram assim, a esmo, como nesta minha descrição: acompanham os ciclos de desenvolvimento da Ilha. Depois do ciclo do açúcar de que falei logo de início, veio o ciclo do vinho, especialmente do vinho generoso. A casta mais apreciada era e é a malvazia, assim chamada por ter tido origem, tanto quanto se sabe, em Napoli de Malvazia, ainda na Idade Média. Tendo-se perdido aí, foram os madeirenses buscar os vidonhos à Ilha de Creta e dela fizeram um vinho de renome mundial. Exportado para muitos países do Mundo, desde a Inglaterra, à América e à Rússia, é citado por autores célebres como Shakespeare e Tolstoi, em livros imorredoiros.
                               Neste ciclo priveligiam-se as relações com a Inglaterra e a França e daí a presença de mobiliário proveniente destes países, como cadeiras de braços, escrivaninhas, uma mesa de estrado, etc. Mas não faltam porcelanas Ming, um cofre goês, feito de tartaruga, madrepérola e prata e até azulejos de Sevilha, trazidos nos barcos que faziam carreira para Acapulco.
                               Sobretudo no séc. XIX, deu-se um grande incremento do turismo: atraídos pelo clima ameno e discutíveis qualidades terapêuticas das águas madeirenses, estiveram na Ilha célebres personagens da sociedade europeia, entre as quais a Imperatriz Elisabeth da Áustria, que já no meu tempo se tornou muito popular. Era a personagem romântica Sissi, o apelido por que era conhecida, interpretada por Romy Schneider. E, já no séc. XX, além do crescente turismo de massas, passou muitas temporadas no Hotel Reid’s, o famoso herói da Segunda Guerra Mundial, Winston Churchill, que na Madeira encontrou, como muitos outros viajantes, inspiração para a sua pintura e o bem merecido descanso para todas as canseiras passadas.
                               Foi o terceiro ciclo do desenvolvimento madeirense, que lhe deu renome mundial pela beleza natural das paisagens, assim como pela afabilidade e alegria das suas gentes. Este ciclo, agora tão dramaticamente marcado pela terrível catástrofe que já referi no meu anterior blogue, em breve retomará o seu esplendor como o merecem os seus esforçados habitantes.
                               Beijinhos, incontáveis, dos Vóvós
 
publicado por clay às 15:57 | link do post | favorito

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
18
19
20
21
23
24
25
26
27
29
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds