Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sábado, 29.05.10

             Quando o burrinho Filó nasceu, naquela pequena aldeia transmontana, havia muitos burros à sua volta: uns, os adultos, carregavam sacos de milho ou de centeio para o moinho da ribeira, feixes de lenha para a lareira, grandes molhos de erva para se alimentarem ou levavam à feira o próprio dono, à falta de melhor transporte, que mais não fosse um cavalo, que sempre era sinal de mais posses; os mais pequenos, e esses já eram poucos, brincavam na rua uns com os outros ou, se calhava encontrarem-se sozinhos nos quintais, perseguindo uma galinha que toda se espanejava à sua frente ou algum cachorro que ainda mal sabia ladrar.

          Comida com fartura, em casa ou no lameiro, água fresca à discrição no velho fontanário e uma festa no lombo ou no meio da testa, era tudo o que precisavam e que lhes parecia não haver de acabar nunca. Mas a vida é cheia de ratoeiras e essas não cabiam nos seus projectos.

         O Filó era um privilegiado: tinha pai, tinha mãe, dois irmãos mais velhos e uma catrefada de primos. Além disso, a dona era uma simpatia de pessoa, sempre a fazer-lhe festinhas, a chamá-lo pelo nome que ela própria escolhera e a escovar-lhe o pêlo até ficar luzidio como seda. O dono era mais sisudo, mas também boa pessoa. Que ele tivesse visto, nunca a vara, que empunhava para guiar os animais, fora usada para, com ela, os fazer andar mais depressa.

       Aqueles donos, em seu entender, apenas tinham um contra: sem filhos pequenos – os dois, já adultos, tinham casado e ido morar para longe – era uma constante mágoa para o Filó ver os seus amigos com crianças escarranchadas no lombo, sempre alegres e ruidosos que era um gosto vê-los.

       Mas o pior estava para vir. Um dia o dono lembrou-se de comprar uma pequena camioneta para o serviço da quintarola e, se tir-te nem guar-te, vendeu os seus burros a uns ciganos que por ali andavam em busca de bons negócios. Foi horrível. Mas o que mais lhe custou foi ouvir o dono dizer:

       - Dá-me mais uma notinha e leva também o jumento pequeno, que não me serve para nada.

      Sentiu-se inútil, claro, e desprezado como se aquele bocado de vida que lhe coubera até ali mais não fosse que um fingimento, um insuportável hipocrisia.

      É verdade que, à sua dona, ainda lhe vieram lágrimas aos olhos e disse, condoída:

      - Coitadinho do Filó! Tão estimadinho, tão engraçado com aquela estrela na testa, tão meu amigo que tanto se divertia a dar-me leves cabeçadas sempre que chegava à minha beira e agora…

      Agora lá foram todos para o acampamento dos ciganos, onde havia muitos meninos mas que, fartos de ver passar por ali tantos cavalos e burros, não se interessavam por eles, até porque sabiam que a estadia nunca teria longa duração.. Um mês, nem tanto, para a família do Filó e mais quatro burros ainda possantes que tinham passado pela mesma tribulação. Tribulação que não se podia comparar à de um casal de burros, já velhinhos, tolhidos pelo reumatismo e que passavam o dia estendidos na palha, a um canto.

      Dizia um:

      - Vê-se mesmo que são burros.

             Ao que outro replicava:

      - Pois, não admira que já ninguém lhes dê valor. E eu até ouvi dizer que são uma espécie em extinção, que em breve não haverá mais nenhum.

            Mas eu vos digo que bem se enganavam em tudo:

            Uma manhã, por sinal uma daquelas manhãs de sol em que só apetecia correr atrás das galinhas e encher o acampamento de zurros de alegria, apareceu por ali um jovem casal que se mostrou extasiado:

      - Olha, é mesmo aquilo de que precisamos para a nossa clínica. Seis burros adultos e mais quatro jumentinhos já dá para começarmos. E; com aquela CERCI ali ao lado, freguesia não nos vai faltar. E até se me corta o coração ao ver aqueles meninos deficientes a quem a hipoterapia havia de fazer muito bem.

        - Eu quero aquele pequenino, com a estrela na testa – disse a rapariga, uma morena simpática e desembaraçada. Será a minha mascote. Vou chamar-lhe Flor, que é o que ele me faz lembrar, não sei porquê. E vou-me divertir a treiná-lo, nas horas vagas, de modo que todos os meninos o escolham para os seus jogos.

       - Pois olha, quanto a mim, só uma coisa me preocupa: aqueles dois burros velhinhos, já tão trôpegos e para ali abandonados e maltratados.

       - Vamos levá-los também. Ensinaremos as crianças a ocuparem-se deles: irão dar-lhes os remédios que vamos comprar e logo se vê o que acontece.

       Fechado o negócio, lá foi o jovem casal, seguido pela récua de burros, até uma vila dos arredores, onde já tinham montado um pequeno hipódromo, com todos os apetrechos que a sua recente formação julgara indispensáveis.

       E foi, de facto, um sucesso: os meninos deficientes, ajudados pelos dois instrutores, aprenderam a montar, começaram a comunicar com eles por meio de festinhas e palavras muito carinhosas ou, se não podiam falar, com gestos ainda mais meigos.

       O Filo, agora Flor, em breve se tornou o ídolo não só da jovem instrutora mas de todos os meninos, que não deixavam passar um dia sem lhe trazerem cenouras, quadradinhos de açúcar e até uma flor com que lhe enfeitavam a pequena cabeçada. Em troca, e como já estava a ficar espigadote, deixava-os montar e dar pequenos passeios, com todo o cuidado para não caírem.

       E os dois burros velhinhos? – perguntareis.

       - Olhem, os remédios fizeram-lhes muito bem, curaram-lhes o reumatismo e já por ali trotam, alegres. sempre rodeados de crianças, cujo convívio lhes restituiu a alegria de viver. E, quem havia de dizer, passaram a ser os mais disputados pelas crianças, à medida que estas iam recuperando, porque eram os mais experientes e dotados duma paciência sem limites.

 

                       Clementina Relvas

                                                                                                                                                                                

                                                                     

 

sinto-me:
tags:
publicado por clay às 01:14 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO