Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sexta-feira, 25.06.10

 

                         Quando começaram a atirar imprestáveis para aquela sucata, lançaram para lá, à toa, uma velha enxada que o seu dono tinha usado durante muitos anos e guardado depois, saudosamente, já que, só lá de quando em quando, a utilizava para dar um jeito em canteiro mais esquecido.

         Agarrada à enxada, ia uma sementinha que, com a queda, foi parar a um pequeno pedaço de terra ainda a descoberto, ao lado dum velho regador já sem o ralo e com muitos furos e amolgadelas.

         Ao fim dalgum tempo, a sementinha espantou-se de sentir a terra húmida e, quase sem dar por isso, começou a inchar, a inchar e em breve saiu cá para fora um caulezinho de nada que se foi desenvolvendo, derramando-se em folhas e, por fim, num botãozinho duma flor.

        Enquanto se desenvolvia, a sementinha agora planta ia-se entretendo a observar o que se passava a sua volta.

       A princípio, assustou-se muito com os estrondos que faziam, ao cair, velhos frigoríficos já sem gás, máquinas de lavar entupidas de cálcio e até alguns automóveis que, ao vê-los, se ficava com a estranha impressão de que bem gostariam de contar as suas vidas recheadas de viagens e aventuras, mas rematadas por um fim dramático, como bem se podia adivinhar pelas suas destroçadas carcaças.

      Depois, quando se sentiu já mais adaptada àquele estranho ambiente, começou a reparar em coisas mais pequeninas: máquinas de café, torradeiras e um velho regador que lhe tinha calhado por vizinho e que, sem ela dar por isso no fundo da sua prisão, lhe tinha ido preservando a vida pois, a cada vez que chovia, lá guardava ele o seu bocadinho de água que não se escapava pelos buracos e ia deixando cair, espaçadamente, sobre a sementinha e, mais tarde, no pé da pequena flor.

       Ah! Ainda não revelei que o botãozinho desabrochara num malmequer de enormes pétalas brancas, distribuídas à volta dum centro amarelo, onde as abelhas iam desencantar o pólen, levando assim, para aquele sítio que parecia amaldiçoado, uma pequena festa de danças e de zumbidos.

        Mas, há sempre um mas…

        Claro que a flor, por mais resistente que fosse, não podia durar sempre. Simplesmente, aconteceu um milagre: quando retiraram a sucata para a reciclarem, ficou ali uma enorme mancha de terra, preta dos óleos e da sujidade que por ali se foram acumulando.

       Aconteceu – e aí está o milagre – que o filho do patrão, um rapaz dos seus dezasseis anos, tinha recebido, como prenda de aniversário, uma moderníssima máquina digital, que jamais abandonava, sempre na esperança de tirar a tal fotografia, a fotografia duma vida. Vendo o esplendoroso malmequer, completamente sozinho naquele enorme e feio descampado, foi seduzido pelo contraste e logo lhe tirou uma fotografia, que lhe pareceu ser a tal.

       De facto, algum tempo depois, houve um concurso para fotografias que tivessem por tema a ecologia. O rapaz concorreu cheio de esperança e com fundada razão: ganhou o primeiro prémio.

       Não me digam que ainda não repararam num anúncio da Televisão que divulgou por milhões de pessoas a imagem do malmequer afortunado, não deixando que ele morresse nunca.

       Mas ele sim, reparou. Ficou feliz e cheio de orgulho, mas com uma estranha dor a minar-lhe e coração: gostaria de ver, ali a seu lado, o velho regador que, meio desfeito, o tinha ajudado a passar de sementinha a flor, como uma mãe carinhosa que, cumprida a sua missão deixa o seu filho livre de seguir o seu destino.

 

 

                            Clementina Relvas

tags:
publicado por clay às 12:27 | link do post | favorito

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds