Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quinta-feira, 26.08.10

                                  

  

            Naquele mundo mágico, as montanhas, pintadas de verde, foram definidas com toda a perfeição pelo Artista que desenha as serras e revestidas, ora de mato rasteiro, ora de florestas densas e ricas de espécies raras. Por todo o lado a água nos saúda e nos convida a momentos de extasiada beleza e de lazer: cascatas inesperadas, represas tão transparentes que deixam ver, sem qualquer esforço, as lajes de xisto que atapetam o fundo e, fonte de todos estes milagres, o Rio Alba com as suas praias fluviais bem cuidadas, a interromper o correr manso e múrmuro do rio.

            Naquele mundo mágico, onde as casas conservam a traça milenária do xisto, amorosamente disposto, sem falhas nem atropelos e as janelas, pintadas de branco, contrastam com as portas azuis, sobressai, toda caiada de branco a Igreja da Imaculada Conceição, que não agradando a todos, encaminha para aquele recanto da aldeia escura, um feixe de inegável espiritualidade.

            Mas, subindo aquelas quelhas tão íngremes, com varandins enfeitados de flores e vistas deslumbrantes, logo, na minha imaginação, começou a impor-se a evidência, de que aliás, não encontrei o mínimo vestígio, da existência de muitas e antiquíssimas lendas suscitadas por todo esse mundo mágico que me fascinou.

            E então Foz de Égua? A represa, encravada num vale profundo e cheio de vegetação, não guarda o aspecto selvagem que teria na época em que decorre a minha história lendária: há três ricas casas, uma delas com uma inútil piscina, dada a vizinhança da outra, natural, mas todos os proprietários tiveram o bom gosto de respeitar escrupulosamente a arte de construir em xisto, na tradição da terra e de plantarem árvores e hortenses que ali nos prendem o coração para sempre.           

            Há várias pontes rústicas sobre o ribeiro e até uma grande ponte pênsil, com perspectivas magníficas para os amantes da fotografia. E, lá muito no alto, para os que preferem as caminhadas, está a ser construída uma capelinha em xisto, de que ainda só existe a torre com um sino e um elegante arco aberto para a zona recreativa.

            E a égua? A minha égua, que tem andado a trotar na minha cabeça, à procura dum oásis de repouso que a liberte do seu fado? Sim, que nestes caminhos sinuosos e à época ainda não desbravados, a vida devia ser tormentosa, especialmente de inverno.

            Era a única égua da região, onde, mesmo os modestos burrinhos, não abundavam. E, até por isso, há quem diga que a palavra Piódão significaria, nada mais nada menos, do que povos que andavam sempre a pé.

            Ora esta minha égua, além de muito esperta, tinha um espírito, se assim se pode dizer, aberto e independente. E, cansada de carregar tantas giestas para forrar o seu estábulo e os caminhos, de as levar depois, transformadas em estrume, para as acidentadas leiras do dono e de ver passar de longe as castanhas e os escassos restos de comida que iam directamente para a pocilga dos porcos, decidiu agarrar as rédeas e ir em busca de melhor futuro. Saiu de casa mal amanhecera e pôs-se a caminho. Caminho é como quem diz, pois só se lhe deparavam trilhos de pé posto e com tantas curvas e contra-curvas, que várias vezes pensou em desistir. Mas não. Já que tinha escolhido a liberdade, teria de desprezar os obstáculos e prosseguir, sempre em frente.

            Já quase no limite das suas forças, vislumbrou um estreito carreiro  que acompanhava um  remansoso ribeirinho, cujas margens rescendiam a hortelã bravia e a fiolho já coberto de florinhas amarelas.

            Seguiu o curso do regato e, embora a água corresse no sentido contrário à sua penosa marcha, deparou-se-lhe, de repente, um largo e fundo açude, no meio dum oásis tranquilo e que a fez exclamar:

            - Eis a Foz. A minha Foz. É aqui que vou ficar, no meio destas pastagens verdejantes, com água límpida para matar todas as sedes e até (que milagre!) esta ruína de xisto que já foi morada de alguém e agora passará a ser a minha casa.

 

Lisboa, 26 de Agosto de 2010

Clementina Relvas

  

tags:
publicado por clay às 15:38 | link do post | comentar | favorito
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
27
28
29
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO