Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quarta-feira, 08.06.11

 

        Meus queridos netos:

 

       Da minha janela, num sétimo andar, em Lisboa, posso ver todo o vasto mundo: alguns prédios de muitos pisos que não escondem um bonito bairro residencial, com as moradias de telhados vermelhos a espreitar, curiosas, através de árvores copadas e verdes; e, do lado esquerdo, uma linha de caminho de ferro suburbano que me leva, e não só em imaginação, até às paisagens e monumentos inolvidáveis de Sintra ou, se quiser tomar o sentido contrário, pelo Fertagus, até ao mar e às praias luminosas da Costa da Caparica. Se me deixar levar nas asas do sonho, tenho à minha disposição toda a costa portuguesa com o seu mar azul e cheio de recortes caprichosos, Trás os Montes e as suas paisagens agrestes, os vinhedos do Douro e o seu rio azul, a Beira cheia de tradições e belezas ocultas, o Ribatejo dos touros e campinos, o Alentejo com o infinito espelhado nas suas extensas planícies e o Algarve, que me encanta sobretudo quando visto do mar.

 

       Por vezes, parto para países exóticos que já visitei, mas evito fazê-lo para não baralhar os meus pensamentos com tantas maravilhas naturais, tantas obras de arte recentes ou carregadas de História. Geralmente fico-me a olhar, pela minha janela, para a floresta de Monsanto, aqui ao lado, e penso na criatividade infinita de Deus, que a dotou de tantas árvores e arbustos, variados e magníficos. Então, ora me detenho a observá-los sem poder conter o espanto, ora fico extasiada com o alto poste de telecomunicações, fruto do trabalho do Homem, inspirado pela Suprema Sabedoria que vem em sua ajuda.

 

       Quero eu dizer que, seja o que for que me prenda o olhar, a atenção ou o pensamento, é sempre a presença de Deus, criador de todas as coisas, que me projeta mais além, para lá do circunstancial e efémero, das nuvens acasteladas ou do céu azul e luminoso, para um espaço que não sou capaz de preencher, um espaço infinito onde Deus é tudo em todos e onde jamais existirão barreiras ou limites.

 

      Por isso costumo pensar que a minha janela é uma oportunidade para comungar com Deus através da Suas obras, na imensa Igreja do Universo, onde todos somos acolhidos pela Sua bondade e misericórdia.

 

                                   Lisboa, 7 de Julho de 2011

                                       Clementina Relvas

 

Da minha janela...

 

 

 

publicado por clay às 11:59 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO