Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sábado, 21.04.12

     A falar verdade, a menina nem sequer gostava de hipopótamos. Nem muito nem pouco. Tinha visto um no Jardim Zoológico e achara-o «bué de feio»: cheio de pelancas a caírem-lhe umas sobre as outras como carapaças, um corpanzil enorme mas a terminar por uma cabeça relativamente pequena, de olhos quase fechados e orelhas que parecia terem pertencido a um leitãozinho, só que mais escuras, cor de terra, o que também não admirava, porque andava sempre a rebolar-se na lama. E, depois, aquela bocarra!

    

     Ficara, portanto, decidido: não gostava de hipopótamos. Até ao dia em que a Mami lhe apareceu em casa com um hipopótamo azul

que tinha um sinal particular: um coração vermelho no lugar do rabinho. Apesar de não achar esse lugar o mais adequado para ter o coração, achou graça e, na primeira oportunidade, correu logo a mostrá-lo à sua Vóvó. Além de que ficou muito contente e comovida, ao ouvir o que a Mãe lhe disse:

    

     - Ouve, filhota, o coração significa o amor que eu tenho por ti, não importa o sítio onde ele esteja ou onde estejas tu. É o meu coração, disso podes ter a certeza.

 

     A menina tinha muitos brinquedos, sobretudo animais de peluche, amorosos e fofinhos, mas logo colocou aquele à frente de todos, na prateleira, para o ver mal entrasse no quarto.

    

     Naquela noite, sem ninguém dar por isso, a bicharada reuniu-se toda e resolveu organizar uma recepção ao novo amigo. Mal imaginando o que estava para acontecer, fizeram danças de roda, pularam e pularam até ao amanhecer. Cansados pela folia nocturna, voltaram para os seus lugares na prateleira e, quando a menina acordou, fixou logo os seus lindos olhos, que também eram azuis, no seu querido hipopótamo.

 

     Tão querido que, daí a dias, quando decidiu com a Mami dar os seus peluches todos a meninos dum bairro pobre que nunca tinham tido brinquedos, a menina pediu:

 

     - Ó Mami! O hipopótamo não. Ainda há pouco mo deste e eu já estou habituada a ir para a cama, abraçadinha a ele. É tão fofinho, tão querido…Nunca julguei que alguém pudesse fazer um hipopótamo de veludo, tão suave e tão lindo, embora tenha algumas parecenças com o feioso do Jardim Zoológico.

 

     - Está bem, filha. Eu nunca faria isso e fico muito contente por gostares assim tanto do teu hipopótamo azul.

   

     - E do coraçãozinho vermelho que representa o teu amor por mim… Nunca me vou separar dele.

 

     A Mãe fez um sorriso enigmático – ela bem sabia que a menina havia de crescer e criar outros afectos – mas não disse nada.

 

     A partir desse dia, a menina nunca mais se esqueceu de levar o hipopótamo azul para onde quer que fosse e adormecia sempre abraçadinha a ele.

 

Importante

     Até quando? Sem deixar, de se lembrar do seu querido hipopótamo, a menina irá um dia pô-lo de lado. Pelo menos quando tiver o seu primeiro namorado, e, sem dúvida, quando tiver o seu primeiro filho, que lhe há-de ocupar os braços e o melhor lugar no seu coração. E daí, quem sabe? Talvez o guarde muito bem guardadinho para, quando chegar a altura certa, o oferecer a esse seu filho, como recordação duma Vóvó que, ao ver tal gesto, procurará esconder uma lágrima de emoção num sorriso de ternura.

publicado por clay às 16:03 | link do post | favorito

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
28
29
30
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds