Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sexta-feira, 04.05.12

Havia por ali muitos ratos, ou melhor, muitas ratazanas, tão grandes, tão nédias, que davam sempre para saciar o apetite de mais do que um gato, por muito comilão que fosse. Agora já iam rareando e não há dúvida nenhuma de que o gato Lambrusco, o mais lá de casa, se tinha distinguido na caça a tão nocivos roedores, de tal forma que muitas vezes cofiara os bigodes e afilara as orelhas, ao ouvir os elogios da dona:

 

 - Valeu a pena arranjarmos sete gatos para nos vermos livres desta praga de ratazanas, fonte de poluição e estragos no armazém e que já nos começavam, descaradamente, a entrar pela casa dentro. Mas, na verdade, o campião das caçadas tem sido o Lambrusco, esperto e manhoso como só ele.

 

- Por isso está assim tão anafado – dizia a filha adolescente que, a princípio, até se insurgira contra aquela horrível matança, acabando por concordar que talvez não houvesse solução mais assisada.

 

Havia, no entanto, um ratinho, esse pequeno e rosado, que todos na casa conheciam porque, quando menos o esparavam, lhes aparecia junto ao frigorífico, na cozinha, ou até mesmo ao pé da cama da menina. E uma vez, descaradamente, em cima da sua secretária em corrimaças de pequenote.. A menina não o denunciava, receosa de o ver sujeito a um trágico fim, mas já todos se perguntavam:

 

-Um rato tão pequenino e nenhum gato se atreve a dar conta dele.

 

- Deve ser porque mal daria para encher a boca dum gato, quanto mais o seu estômago…

 

Mas não. O que acontecia é que nenhum gato, dispondo ainda de algumas raras ratazanas, achava valer a pena dar-se a trabalhos por tão pouco. Excepto o Lambrusco: esse tinha um motivo diferente. Habituado a relações afectuosas, aos miminhos da pequena dona, tinha-se tomado de amores pelo ratinho, tão pequeno e vivaço e, além do mais, destemido. A ponto que um belo dia, lá se foi, pé ante pé, chegando bem junto dele e lhe sussurrou ao ouvido:

 

- Olha lá. Queres ser meu amigo? Eu sei que tens boa razões para não acreditares em mim. Mas juro-te que nunca te farei mal, e mais: hei-de defender-te dos outros gatos, das ratoeiras e de todos os perigos.

 

O ratinho piscou maliciosamente os olhos, ficou um pouco a pensar cofiando os bigodes e depois disse:

 

- Na verdade, se tu me quisesses fazer mal, onde é que eu já estaria? certamente junto dos meus parentes e amigos, bem menos afortunados do que eu e a quem vós destes sumiço. Mas, ainda que eu quisesse aceitar a tua amizade, onde é que iria viver para ficar sob a tua protecção?

 

- Então onde é que há-de ser? Na minha casota, que é bem confortável. è forrada com uma fofa manta de lã e todas as manhãs encontro, à entrada, um saboroso pires de leite ou biscoitos para gato que tu, certamente, também hás-de apreciar.

 

 Eu podia continuar a história. Mas prefiro acabá-la e de acordo com o que eu penso serem as vossas interrogações:

 

- E de manhã? Como reagiu a família àquela inesperada amizade?

 

Será preciso explicar o espanto dos mais velhos e a reacção da menina que dizia:

 

- Coitadinho, tão fofinho… Como é que um gato tão afectivo como o Lambrusco lhe havia de fazer mal? 

 

 Clementina Relvas

publicado por clay às 14:42 | link do post | comentar | favorito
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
26
27
28
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO