Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quinta-feira, 10.05.12

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           Meus queridos netos:

 

 

                        O Zezinho talvez não – porque ainda era muito pequeno – mas a Cristininha deve lembrar-se deste pequeno diálogo que ouvi, quase sem querer, enquanto escolhia variadas flores para compor um raminho. Transmito-vo-lo por o ter achado muito interessante. Se o esqueceram, aqui vai, para o álbum das recordações, tanto mais valioso quanto mais anos forem decorrendo.

 

                        Eram duas meninas que, em vez de se ocuparem a apanhar flores, remexiam, cada uma com seu pauzinho, o extenso lameiro que bordejava a mata cortada por um ribeirinho cantante.

 

                        - Ui! Que bicharoco tão feio. Nunca vi nenhum igual nos nossos “domínios”.

 

                        - Nem admira, sua Martinha sabichona. Nós não vivemos no grandioso Brasil, nem em nenhum outro país da América do Sul, onde proliferam por todo o lado. Também se podem encontrar em quase todas as partes do mundo. Este deve pertencer a alguma colónia desgarrada…

 

                        - Está bem. Mas antes de mais, diz-me lá como se chama esta…lesma, caracoleta, ou seja lá o que for.

 

                        - Eu sempre lhe ouvi chamar “bicho-de-conta”, mas só uma vez, em que a minha Mãe (tua Avó, claro), descobriu um, com o seu cinzento, muito bem disfarçado na lama.

 

                        A Vóvó ficou tão contente! Ela já tinha visto desenhos do animalzinho (esticado mostrando claramente os anéis que formavam o seu corpo e se enrolavam até este ficar com a forma de bola, de patinhas no chão ou com o dorso mais ou menos acastanhado ou prateado) e foi logo tratar de saber coisas sobre tão raro animal. Aprendeu então que pertence à mesma classe dos caracóis, que é útil para a reciclagem dos metais dispersos na água e que se alimenta de plantas novas, abundantes à sua volta. Os seus inimigos principais são as aranhas, de que se defendem libertando secreções repelentes. Ou então, graças aos seus anéis, enrolam-se em forma de conta, donde lhe vem um dos vários nomes por que é conhecido. E muitas, muitas mais coisas aprendeu. Faltava-lhe, no entanto, a sabedoria da Mãe. Quando lhe contou a sua descoberta, esta disse-lhe que, de facto, naquela região, predominantemente seca, o bichinho-de-conta era tão raro que ela própria só  ainda vira dois ou três o que lhe dera a ocasião de aprender uma lengalenga que nunca mais esquecera.

 

                        - Conta lá, Vóvó, conta lá!

 

                        Lembrava-se dela como se a tivesse ouvido na véspera e aí a deixava, principalmente para a Martinha Sabichona.

 

                        - Também quero, também quero: quem é que disse que eu não gosto de aprender coisas novas, especialmente quando são bonitas (e às vezes com tanta sabedoria como as que sabe a Vóvó)?

 

                        - Então escutem lá, e nunca mais se esquecerão do simpático “bicho-de-conta”:

 

 

                      Debaixo da pedra

                      mora um bichinho,

                      cinzento ou castanho,

                      muito redondinho.

                     Tem medo do sol,

                     Tem medo de andar,

                     Bichinho-de-conta

                     não sabe contar.

                     Muito redondinho,

                     rebola no chão,

                     rebola na erva

                     e na minha mão.

                                        (autor anónimo)

 

                        - Que bonito! Que bonito! – disseram as duas em coro, enquanto a Avó, fingindo curvar-se para colher mais uma flor, enxugava disfarçadamente uma lágrima que a lengalenga e a lembrança da sua Mãe lhe toldara os olhos. É que ela queria guardá-los, sempre luminosos e ternos, para as suas duas netinhas.

 

                                   Lisboa, 3 de Maio de 2012

 

                                   Clementina Relvas              

tags:
publicado por clay às 23:50 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
26
27
28
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO