Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quinta-feira, 19.07.12

   Meus queridos Netos:

 

 

            Desde há longos anos que sentia grande admiração pelas glicínias: pela sua cor, simultaneamente forte e delicada, pelo acentuado e agradável perfume das suas flores e pela sua estrutura, em cachos pendentes, que tanto lhe permitem ornamentar muros de casas e jardins como pender de latadas em fantasmagóricas cortinas de azul.

 

            Depois, encantei-me com uma glicínia que. no muro do jardim duma casa em frente da Igreja da Força Aérea, antes a primitiva e bela paroquial de S. Domingos de Benfica (monumento nacional, onde se encontram os restos de João das Regras e uma pedra tumular de Frei Luís de Sousa), me anunciava, bem como as brancas coroas de noiva suas vizinhas, a chegada da Páscoa.

 

 

            E perguntava-me a mim mesma donde teria vindo flor tão singular, mas sem nunca ter procurado resposta para a minha curiosidade. Até que, no número de Maio da Revista do Inatel, que todos os meses é enviada gratuitamente aos associados, me deparei com um belíssimo artigo de Susana Neves e, aí, a informação que desejava e de que vos transmito os elementos que achei mais interessante.

 

            Assim, muito abundante e antiga na China e no Japão, entrou na Inglaterra depois duma longa viagem de barco, a partir do porto de Cantão, em 1816, como oferta dum rico vendedor de glicínias chinês ao Comandante Robert Welbank, que a ofereceu a um seu cunhado.

 

            Como a glicínia só floresce a partir dos sete anos, dado desconhecido do novo proprietário, este, supondo que a falta de flores era devida ao frio, submeteu-a, em estufa, a uma temperatura até 20º, o que, aliado a uma praga de aranhas vermelhas, por pouco não a aniquilava. Só em Março de 1819 é que se viu coberta de longos cachos de flores azul-lilás e daí o seu nome chinês de vinha azul. E porque as flores são intensamente perfumadas , os ocidentais chamaram-lhe  glicínia, do grego glykys.

 

            Descobrindo que a lenta propagação através de sementes podia ser acelerada  se se adotasse a utilização de estacas, em breve as glicínias iam recobrir mansões e florir em modestos jardins e espalhar-se por vários países ocidentais. Geralmente eram podadas mas, em 1896, uma que foi plantada na Sierra Madre (Califórnia) mereceu as honras do Guiness Book como a maior planta do mundo entre as que dão flor. Pesa 250 toneladas, ocupa cerca de meio hectare, e dá, por ano, cerca de 1,5 milhões de flores.

 

            Para minha maior satisfação, soube que era a planta preferida de Claude Monet e que aquilo a que ele chamava o seu “colorido suspenso” terá modificado a sua maneira de pintar, acentuando o aspeto onírico que caracteriza muitas das suas telas e que tanto me fascina.

 

            Aprendemos todos muito, não acham? E dos novos conhecimentos ficamos gratos a Susana Neves. Obrigados!

 

 

           

 

tags:
publicado por clay às 06:04 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO