Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quinta-feira, 27.11.14

 

                                    Trinta anos, semita, tisnado pelo sol

                           e pelo vento do deserto,

                         mas sempre o mesmo compassivo olhar,

                          procurando, no íntimo do homem,

                          mesmo no pecador,

                          o ensejo de tudo perdoar.

 

                          Era assim que eu Te via,

                          ó meu Jesus, e não como este Cristo

                         que hoje vi,

                         pendente duma Cruz

                          por nosso amor

                          e que me fez sentir mais próximo de Ti,

                          talvez por ir levar-Te a minha dor.

 

                          Eu nunca imaginei como seria

                          a verdadeira face do meu Deus,

                          do meu Deus feito homem,

                          devastada por todos os tormentos,

                          que na hora da morte nos consomem.

                           

                          Vi-a, hoje, no bronze do artista

                           que olhou muito mais fundo                        

                          e que sentiu

                          a agonia mortal

                          pelos pecados

                          que vira neste mundo.

 

                          E foi então que ouvi alguém dizer:

                          «Como é feio este Cristo!»!

                          Feio Tu, que na hora da agonia,

                          só sofrias por nós,

                          homens de cerviz dura,

                          que nem a Tua morte redimia!

 

                          Tu ias para o Pai, chegara a Hora,

                      mas sofreste por nós toda a espécie de dor.

                          «Pai, porque me abandonaste?»

                           Eis o momento

                          que o artista captou,

                          pondo no bronze,

                          seu coração dorido

                          e todo o seu amor.

 

                                         Clementina Relvas

publicado por clay às 10:13 | link do post | comentar | favorito
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
28
29
30
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO