Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quinta-feira, 27.11.14

 

                                    Trinta anos, semita, tisnado pelo sol

                           e pelo vento do deserto,

                         mas sempre o mesmo compassivo olhar,

                          procurando, no íntimo do homem,

                          mesmo no pecador,

                          o ensejo de tudo perdoar.

 

                          Era assim que eu Te via,

                          ó meu Jesus, e não como este Cristo

                         que hoje vi,

                         pendente duma Cruz

                          por nosso amor

                          e que me fez sentir mais próximo de Ti,

                          talvez por ir levar-Te a minha dor.

 

                          Eu nunca imaginei como seria

                          a verdadeira face do meu Deus,

                          do meu Deus feito homem,

                          devastada por todos os tormentos,

                          que na hora da morte nos consomem.

                           

                          Vi-a, hoje, no bronze do artista

                           que olhou muito mais fundo                        

                          e que sentiu

                          a agonia mortal

                          pelos pecados

                          que vira neste mundo.

 

                          E foi então que ouvi alguém dizer:

                          «Como é feio este Cristo!»!

                          Feio Tu, que na hora da agonia,

                          só sofrias por nós,

                          homens de cerviz dura,

                          que nem a Tua morte redimia!

 

                          Tu ias para o Pai, chegara a Hora,

                      mas sofreste por nós toda a espécie de dor.

                          «Pai, porque me abandonaste?»

                           Eis o momento

                          que o artista captou,

                          pondo no bronze,

                          seu coração dorido

                          e todo o seu amor.

 

                                         Clementina Relvas

publicado por clay às 10:13 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
28
29
30
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO