Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sábado, 28.02.15

 

                                   Até quando, Senhor, ficará triste

                                   a minha alma, com teu olhar ausente

                                   de mim ou por mim esquecido,                     

                                   se prometeste estar sempre presente?

 

                                   Sei-o porque o disseram os profetas

                                    e os apóstolos que, fiéis Te seguiram

                                   mas, sobretudo, porque o afirmaste

                                   àqueles que Te creram, que Te ouviram.

 

                                   Se Tu curaste os cegos e aos coxos

                                   restituíste o andar com o perdão,

                                   ressuscitaste os mortos, como Lázaro

                                   e realizaste os milagres do pão,

 

                                   como hei-de duvidar do Teu poder,

                                   fonte e penhor de toda a Criação?

                                   Como hei-de julgar que me abandonas

                                   e viver mergulhada em escuridão?

 

                                   Senhor, eu sei que às vezes é difícil,

                                   com tanto sofrimento, em todo o o lado,

                                   ver tantas criancinhas a sofrer,

                                   elas que não conhecem o pecado.

 

                                   Será para podermos exercer

                                   em Teu nome e por nossa salvação

                                   a caridade, que, disse S. Paulo,

                                   é o ápice de toda a perfeição?

 

                                   A caridade é amor e Amor és Tu

                                   e seria absurdo o pensamento

                                   que, para praticar a caridade,

                                   houvesse tão injusto sofrimento.

 

                                   As Tuas leis são justas, infalíveis

                                   e impenetráveis à minha razão.

                                   Não permitas, Senhor, que o meu orgulho

                                   Te faça desertar meu coração.

 

                                   Perdoa, ó Deus, as dúvidas e angústias

                                   que ensombram a minha alma, noite e dia.

                                   Responde-me, Senhor, ilumina os meus olhos

                                   que eu sinta, sempre, a Tua companhia

 

                                   Clementina Relvas

publicado por clay às 12:49 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
21
22
24
25
27
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO