Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Sábado, 28.02.15

 

                                   Até quando, Senhor, ficará triste

                                   a minha alma, com teu olhar ausente

                                   de mim ou por mim esquecido,                     

                                   se prometeste estar sempre presente?

 

                                   Sei-o porque o disseram os profetas

                                    e os apóstolos que, fiéis Te seguiram

                                   mas, sobretudo, porque o afirmaste

                                   àqueles que Te creram, que Te ouviram.

 

                                   Se Tu curaste os cegos e aos coxos

                                   restituíste o andar com o perdão,

                                   ressuscitaste os mortos, como Lázaro

                                   e realizaste os milagres do pão,

 

                                   como hei-de duvidar do Teu poder,

                                   fonte e penhor de toda a Criação?

                                   Como hei-de julgar que me abandonas

                                   e viver mergulhada em escuridão?

 

                                   Senhor, eu sei que às vezes é difícil,

                                   com tanto sofrimento, em todo o o lado,

                                   ver tantas criancinhas a sofrer,

                                   elas que não conhecem o pecado.

 

                                   Será para podermos exercer

                                   em Teu nome e por nossa salvação

                                   a caridade, que, disse S. Paulo,

                                   é o ápice de toda a perfeição?

 

                                   A caridade é amor e Amor és Tu

                                   e seria absurdo o pensamento

                                   que, para praticar a caridade,

                                   houvesse tão injusto sofrimento.

 

                                   As Tuas leis são justas, infalíveis

                                   e impenetráveis à minha razão.

                                   Não permitas, Senhor, que o meu orgulho

                                   Te faça desertar meu coração.

 

                                   Perdoa, ó Deus, as dúvidas e angústias

                                   que ensombram a minha alma, noite e dia.

                                   Responde-me, Senhor, ilumina os meus olhos

                                   que eu sinta, sempre, a Tua companhia

 

                                   Clementina Relvas

publicado por clay às 12:49 | link do post | comentar | favorito
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
21
22
24
25
27
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO