Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quarta-feira, 27.01.10
 
                        Meus queridos netos:
                                   Para não ser tida como facciosa, resolvi começar pela transcrição das próprias palavras de Andersen: “Que transição ao entrar em Portugal vindo de Espanha! Era como sair da Idade Média para entrar no presente. Via, à minha volta, casas acolhedoras caiadas de branco, matas cercadas por sebes, campos cultivados e nas grandes estações podia-se sempre tomar qualquer refresco. Aqui haviam chegado também, como uma brisa, as comodidades dos tempos modernos da Inglaterra ou do restante mundo civilizado”. Andersen passou por Elvas, por Abrantes mas a sua verdadeira surpresa foi… Imaginem! a vila do Entroncamento! “Na estação encontrámos um hotel verdadeiramente luxuoso e moderno. Pelo menos, assim me pareceu, pois na viagem desde Madrid havia perdido o hábito de todas as comodidades. O Rei de Portugal, depois do seu regresso de Espanha, aí havia pernoitado. Tinha uma grande e bonita sala de jantar e servia boa comida e bebidas frescas. Até chá e vinho do Porto se podia tomar. Estávamos, pois, no meio da civilização”.
                                   Por volta das quatro da madrugada, foi a chegada a Lisboa e o escritor, a conselho do companheiro de viagem, foi passar o resta da noite ao Hotel Durand, perto da Rua das Flores. Como era domingo, resolveu procurar uma carruagem que o levasse à Quinta do Pinheiro, residência dos seus amigos O’Neill, a meia milha de Lisboa. E vejamos com que diferentes olhos vai observando a paisagem e as gentes portuguesas: “…Seguimos por praças e ruelas com casas de aspecto pobre, para fora de portas, entre muros em ruínas, pela estrada de Sintra. O grande aqueduto sobre o vale de Alcântara e os muitos pomares frondosos prestavam beleza aos arredores. Camponeses e camponesas montados em burros, carros chiando sob o peso das cargas, mendigos pedindo em altos gritos à borda da estrada davam-lhe animação”.
                                   A Quinta do Pinheiro, onde foi efusivamente recebido pelo seu amigo Jorge e pela mãe deste, a Senhora O’Neill, que em vão tinham esperado pela sua chegada no paquete de Bordéus, é assim descrita por Andersen: “É uma casa velha, um pouco arruinada, de dois andares, paredes cor-de-rosa, portas verdes e janelas como as da maior parte das casas antigas de Lisboa. Uma fila de estatuetas destaca-se ao longo das cornijas do telhado. No interior, as divisões são numerosas, muitas das quais estão completamente vazias ou apenas têm uma cama armada, um velho quadro ou um simples móvel. A vista estende-se por todo o redor, sobre verdes montes e vales”. E acrescenta: “As janelas do meu quarto dão “… para uma parte do vale de Alcântara, sobre o qual, de construção arrojada e grandiosa, com arcos de altura vertiginosa, se estende o grande aqueduto: os “Arcos da Águas Livres”. De tal modo este o impressionou que a descrição continua e dele fez um desenho ainda hoje existente na Casa-Museu, em Odense, sua terra natal. A casa do Pinheiro estava rodeada por um jardim murado, todo florido quando Andersen chegou e que lhe inspirou alguns poemas. Diz ele: “Na realidade, tão bem me sentia aqui que pouco ansiava por ver a grande cidade próxima”. Perto, ficava o palácio e jardins do Conde de Farrobo, com o seu teatro, bem como o magnífico Palácio do Marquês de Fronteira, que descreve entusiasticamente. Em ambos foi recebido com muita deferência e cordialidade.
                                   Lisboa deslumbra-o, contrariando todas as ideias que tinha preconcebido através de leituras e relatos: “ As ruas são agora largas e limpas; as casas confortáveis, com as paredes cobertas por azulejos brilhantes de desenhos azuis sobre branco; as portas e janelas de sacada são pintadas a verde ou a vermelho, cores que se vêem por toda a parte, mesmo nos barris dos aguadeiros. O passeio público, um jardim longo e estreito no meio da cidade é à noite iluminado a gás e aí se ouvem concertos. As árvores em flor desprendem um perfume bastante forte; é como se estivéssemos numa loja de especiarias ou numa confeitaria que preparasse e servisse gelados de baunilha”. Refere os edifícios e sítios principais: o Teatro D. Maria II, a Rua do Ouro toda tomada pelos ourives e seus “esplendores”, a Praça do Comércio “que se estende até à margem pavimentada do Tejo”, a praça Luís de Camões, preparada para receber a nova estátua do poeta (cuja obra ele conhece e exalta) e até o Hotel Bragança, de tão grande renome na época. Mas não deixa de referir alguns pormenores que, para nós, são no mínimo bastante estranhos e pitorescos: “Nas ruas principais há vida e movimento. Passam, ligeiros, cabriolés e arrastam-se, pesados, os carros de bois dos camponeses de aspecto antediluviano. Pode-se ver um leiteiro com duas ou três vacas que ordenha na rua, seguido muitas vezes dum grande vitelo com açamo de coiro, a custo extraindo a sua ração fixada de leite”.
.                                  A sua vida em Lisboa deve ter sido bem preenchida, pois privou com António Feliciano de Castilho, cuja obra admirava e com quem trocou correspondência e até foi recebido, com toda a pompa, pelo rei D. Fernando. O rei fez questão em ser ele próprio a mostrar-lhe os jardins reais, que o deixam fascinado. E é a propósito de D. Fernando que Andersen recorda os últimos tempos da História de Portugal, desde a ida de D. João Vi para o Brasil até às lutas liberais.
                 Com o aproximar do calor do Verão, mudam-se para a casa de campo que Jorge O’ Neill tem em Setúbal, o que os obriga a uma demorada e cansativa viagem. Mas, como nós também já estamos a ficar cansados desta deambulação, terei de recorrer a mais cartas para resumir estas impressões tão saborosas do escritor que nos ajudou a sonhar e a crescer com as suas deliciosas histórias.
Beijinhos, pois, e até breve.
O Aqueduto das Águas Livres desenhado por Andersen:
 

Fonte: Livro "Uma Visita em Portugal em 1866" de H.C.Andersen, traduzido por Silva Duarte

publicado por clay às 00:02 | link do post | comentar | favorito
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
VISITAS EFECTUADAS DEPOIS DE 23 JULHO 2012

contador de visitas
Visitas desde Maio de 2007

Contador de Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO