Nunca pensei que os "olhos do meu coração, no dizer de S. Paulo, revelassem pormenores por mim julgados completamente esquecidos...
Quinta-feira, 19.07.12

   Meus queridos Netos:

 

 

            Desde há longos anos que sentia grande admiração pelas glicínias: pela sua cor, simultaneamente forte e delicada, pelo acentuado e agradável perfume das suas flores e pela sua estrutura, em cachos pendentes, que tanto lhe permitem ornamentar muros de casas e jardins como pender de latadas em fantasmagóricas cortinas de azul.

 

            Depois, encantei-me com uma glicínia que. no muro do jardim duma casa em frente da Igreja da Força Aérea, antes a primitiva e bela paroquial de S. Domingos de Benfica (monumento nacional, onde se encontram os restos de João das Regras e uma pedra tumular de Frei Luís de Sousa), me anunciava, bem como as brancas coroas de noiva suas vizinhas, a chegada da Páscoa.

 

 

            E perguntava-me a mim mesma donde teria vindo flor tão singular, mas sem nunca ter procurado resposta para a minha curiosidade. Até que, no número de Maio da Revista do Inatel, que todos os meses é enviada gratuitamente aos associados, me deparei com um belíssimo artigo de Susana Neves e, aí, a informação que desejava e de que vos transmito os elementos que achei mais interessante.

 

            Assim, muito abundante e antiga na China e no Japão, entrou na Inglaterra depois duma longa viagem de barco, a partir do porto de Cantão, em 1816, como oferta dum rico vendedor de glicínias chinês ao Comandante Robert Welbank, que a ofereceu a um seu cunhado.

 

            Como a glicínia só floresce a partir dos sete anos, dado desconhecido do novo proprietário, este, supondo que a falta de flores era devida ao frio, submeteu-a, em estufa, a uma temperatura até 20º, o que, aliado a uma praga de aranhas vermelhas, por pouco não a aniquilava. Só em Março de 1819 é que se viu coberta de longos cachos de flores azul-lilás e daí o seu nome chinês de vinha azul. E porque as flores são intensamente perfumadas , os ocidentais chamaram-lhe  glicínia, do grego glykys.

 

            Descobrindo que a lenta propagação através de sementes podia ser acelerada  se se adotasse a utilização de estacas, em breve as glicínias iam recobrir mansões e florir em modestos jardins e espalhar-se por vários países ocidentais. Geralmente eram podadas mas, em 1896, uma que foi plantada na Sierra Madre (Califórnia) mereceu as honras do Guiness Book como a maior planta do mundo entre as que dão flor. Pesa 250 toneladas, ocupa cerca de meio hectare, e dá, por ano, cerca de 1,5 milhões de flores.

 

            Para minha maior satisfação, soube que era a planta preferida de Claude Monet e que aquilo a que ele chamava o seu “colorido suspenso” terá modificado a sua maneira de pintar, acentuando o aspeto onírico que caracteriza muitas das suas telas e que tanto me fascina.

 

            Aprendemos todos muito, não acham? E dos novos conhecimentos ficamos gratos a Susana Neves. Obrigados!

 

 

           

 

tags:
publicado por clay às 06:04 | link do post | comentar | favorito
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
Venha conhecer o nosso cantinho da escrita... Visi...
Querida Professora Acabei de ler o comentário da m...
Cara Drª Clementina Relvas,Vim hoje visitar o seu ...
Querida Vovó... ou Querida Professora:Para quem cu...
Querida Professora ,Estive uns tempos sem vir ao s...
Cara Sandra:É sempre um grande prazer e compensaçã...
Olá Cristina,tive o prazer de conhecer a su...
Dra Clementina :Fiquei feliz por receber uma respo...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Peço desculpa de só agor...
Lisboa, 20 de Maio de 2011Querida Maria José:Lamen...
mais sobre mim
blogs SAPO